PRODUTOS PARA AVES, ANIMAIS NÃO CONVENCIONAIS E SILVESTRES: DÁ PRA ACREDITAR?

A indústria pet movimenta milhões no Brasil, mas o que vemos é a irresponsabilidade de produtos maquiados para estes animais. 

O mercado pet movimenta milhões de dólares no Brasil mas será que estes produtos tem compromisso com a saúde do seu animal não convencional? Um produto para ser lançado no mercado deve ser testado exaustivamente, tanto “in vitro” quanto “in vivo” mas o que vemos nesta área é a evidência de produtos com clara irresponsabilidade, sem nenhuma base científica para ser vendido livremente em agropecuárias e petshops, aproveitando-se da pouca informação que existe para nossos animais diferentes.

As raçoes são um exemplo claro. Por definição, uma ração é um alimento que deve, por si só, oferecer todos os macro e micronutrientes que permitam uma vida saudável ao animal, sem carências ou excessos. Mas o que vemos? Misturas de sementes para papagaios, calopsitas e periquitos vendidos nas prateleiras sob o rótulo de “ração”. Já sabemos que uma mistura de sementes, por mais variada que seja (talvez uns 7 a 8 tipos de sementes diferentes) não pode ser considerado um alimento equilibrado. Mesmo quando a fábrica coloca um premix (suplemento de micronutrientes, supostamente) desafio algum leitor deste blog ter algum animal que realmente come aquele bastonete insosso. A ideia que o animal regula sua própria alimentação é um mito que só nos traz prejuízo. O animal come o que gosta, mesmo em vida livre! O que ocorre na natureza é que praticamente não há alimento perene, tudo o que está disponível é sazonal, havendo florescências e disponibilidade de frutos e sementes em momentos diferentes ao longo do ano, obrigando aos animais não carnívoros a se adaptarem ao alimento disponível, provocando obrigatoriamente a variabilidade alimentar. Em cativeiro, nós devemos oferecer o alimento balanceado, mesmo que não seja tão palatável.

E o que dizer de raçoes extrusada para roedores. Uma mesma ração adequada para todos os roedores? Para hamster e porquinho-da-Índia?  Como animais com hábitos alimentares tão diferentes, com seleção evolutiva por caminhos tão separados podem ter as mesmas necessidades nutricionais? Existem roedores herbívoros (Porquinho da índia e chinchila), granívoros (hamster e gerbil) e onívoros (Rato Twister, topolino), todos eles com a mesma alimentação? Evidente que não! Os roedores herbívoros e coelhos (estes últimos não são roedores e sim lagomorfos) possuem crescimento contínuo dos incisivos, pré-molares e molares precisando de uma alimentação baseada em fibras longas e nunca em grãos (em outro post abordaremos a nutrição destes). Como pode essa “mágica” de ração única?

Outro ponto de falta de comprometimento da indústria com estes animais é a comercialização de medicamentos para serem colocados na água de bebida, principalmente para pássaros.  É fato que é a forma mais prática, mas qual a real eficiência de “diluir” vitamina E (ou a Vit. D, A ou K), uma vitamina lipossolúvel (solúvel apenas em óleos) no bebedouro? É obvio que o óleo não é miscível em água e o que acontecerá com esta vitamina E? Irá se depositar no topo do bebedouro e se for um bebedouro com reservatório do tipo coluna, a ave nunca terá acesso.  O mesmo ocorre com alguns vermífugos.

Vamos considerar agora medicamentos que realmente sejam solúveis em água. Pergunto: esta posologia recomendada foi determinada sob quais condições? Foi testada no Brasil ou na Europa? Sob quais temperatura e umidade? Será que uma ave bebe a mesma quantidade de água em um dia quente e frio do que em uma dia ameno e chuvoso? Não…não!

 E quando o produto apresenta no rótulo que este é recomendado para “aves”, numa determinada posologia. Para “aves”? Mas de qual “ave” essa fábrica está se referindo? Uma galinha, uma calopsita ou um avestruz? Estes animais possuem metabolismo completamente diferentes e evidentemente as doses terapêuticas  variam muito (as vezes mais de 500%) de uma espécie para outra. Sub ou superdosagens serão com certeza administradas.

E como se prevenir então?  Procure sempre um especialista da área! Fuja da auto-medicação e busque sempre um médico veterinário experiente em aves, roedores e outros animais não convencionais. Só ele irá te passar as informações certas para dar vida longa ao seu bicho!

por  Pablo César Pezoa Poblete

Médico Veterinário, MSc.

alimentaçao papagaio-periquito-calopsita-hamster-coelho-gerbil-veterinario

Mistura de sementes para aves e roedores: animal mal alimentado e dinheiro jogado fora!

raçao-alimentaçao-roedor-gamster-coelho-gerbil-twist-veterinario

Mistura de sementes vendida como “ração”, balanceada para animais não convencionais: talvez a maior irresponsabilidade da industria deste setor.

Raçao extrusadas roedores-coelhos-hamster-chinchila-veterinario

Raçoes extrusadas para todos os roedores? Herbívoros, granívoros e onívoros? Como é possível???

Palavras-chaves: alimentação roedores, alimentação papagaios, alimentação calopsitas, veterinário aves BH, veterinário calopsitas BH, veterinário roedores BH, veterinários coelhos BH, clínica de silvestres BH, Belo Horizonte.

Horário de Atendimento:

Seg:
Ter:
Qua:
Qui:
Sex:
Sáb:
Dom:
Feriados:
Aberto 24 horas
Aberto 24 horas
Aberto 24 horas
Aberto 24 horas
Aberto 24 horas
Aberto 24 horas
Aberto 24 horas
Aberto 24 horas
Av. Amazonas, 2474 – Santo Agostinho, Belo Horizonte – MG
Telefone.: +55 (31) 2516-4877
Emergência:+55 (31) 98538-8877
ESTACIONAMENTO PARA CLIENTES e rampa de acesso a cadeirantes

Nossa Fan Page:

Nosso Blog: